Avançar para o conteúdo

Agência Pixelnove

Início » A Revolução Digital: Impacto da inteligência artificial e redes sociais na rotina dos jornalistas latino-americanos

A Revolução Digital: Impacto da inteligência artificial e redes sociais na rotina dos jornalistas latino-americanos

Na quarta edição da pesquisa sobre o “Panorama do Jornalismo na América Latina” conduzida pela Latam Intersect PR, as influências da inteligência artificial (IA) e das redes sociais na rotina jornalística se destacam como protagonistas. Além disso, a pesquisa explora a ascensão do trabalho híbrido e as mudanças nas práticas de jornalismo em meio às novas tecnologias.

REDES SOCIAIS: UMA FERRAMENTA ESSENCIAL PARA OS JORNALISTAS

De acordo com a pesquisa, as redes sociais continuam sendo a ferramenta mais crucial para os jornalistas latino-americanos, com 61,5% afirmando que as plataformas sociais de suas organizações são as mais adequadas para a prática jornalística. O Twitter/X destaca-se como a plataforma preferida para descobrir notícias de última hora, com 62,9% dos jornalistas utilizando a função de tópicos trending regularmente. Destaca-se a surpreendente preferência dos jornalistas pelo Twitter/X em comparação com alternativas como Threads. Enquanto 46,2% dos jornalistas brasileiros usam Threads para criar histórias, o Twitter/X mantém sua posição predominante.

DIVERSIDADES NAS PRÁTICAS NAS REDES SOCIAIS

A pesquisa revela diferenças significativas no uso das redes sociais entre os jornalistas de diferentes países. Apenas 7,3% dos jornalistas chilenos utilizam Threads para criar histórias, enquanto 40,4% dos jornalistas brasileiros “nunca” usam a função de “temas trending” do Twitter/X. Essas variações indicam a diversidade de abordagens na região e levantam questões sobre o papel futuro das diferentes plataformas.

IMPACTO DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

A IA surge como uma força poderosa no jornalismo latino-americano, com 82% dos profissionais considerando-a útil. No entanto, um terço dos jornalistas de 18 a 25 anos a percebe como uma “ameaça”, a maior proporção entre os grupos etários. A pesquisa destaca que 31,8% dos jornalistas utilizam IA “todos os dias” ou “pelo menos uma vez por semana”, principalmente para “insights/pesquisa” (25,1%), “tradução de texto” (22%) e outras aplicações. Destaca-se a rápida adoção da IA e prevê que os resultados da pesquisa continuarão evoluindo nos próximos anos.

TRABALHO HÍBRIDO: UMA REALIDADE DURADOURA

A pesquisa também aborda o cenário do trabalho remoto, revelando que 44,4% dos jornalistas latino-americanos ainda trabalham remotamente, três anos após o início da pandemia. O trabalho híbrido ganha espaço, com 42,1% adotando essa modalidade. A pesquisa indica uma mudança nas atividades diárias, com 51,8% dos jornalistas trabalhando principalmente em casa, evidenciando a continuidade das atividades online, como entrevistas e eventos virtuais. Destacamos a capacidade dos jornalistas latino-americanos de liderar nesta era de revolução digital, onde a IA e as redes sociais moldam a produção e o consumo de notícias. As rápidas transformações observadas nos últimos anos sinalizam um futuro dinâmico e promissor para o jornalismo na região.